ICRAR: O universo está morrendo!

ICRAR: O que sabemos até agora é que nosso universo começou a existir há cerca de 14 bilhões de anos atrás, no eco do Big Bang, descrito pelos cientistas como uma súbita e rápida expansão da matéria para um estado de densidade e temperatura extremamente altas.universo ICRAR

TambĂ©m sabemos que apĂłs o Big Bang, o universo continua a se expandir. EntĂŁo, como se vĂŞ, o universo está lentamente começando a “sair”.

Tendo estudado mais de 200.000 galáxias e a eficiência energética do espaço que ocupam, os astrônomos descobriram evidências de que o mundo está morrendo. A verdade é que tudo acontece em um ritmo muito lento, mas acontece.

Os cientistas não sabem ao certo quanto tempo levará para as luzes se apagarem, mas não têm dúvida de que o mundo está chegando ao fim.

“O universo vai encolher a partir de agora, Ă  medida que atinge lentamente a velhice. O universo está essencialmente sentado no sofá, coberto com um cobertor e pronto para sair para um sono eterno ”, diz o pesquisador do ICRAR Simon Driver.

De acordo com um estudo sobre a morte do universo (publicado na revista Monthly Notices), a energia produzida no universo hoje é apenas metade do que era há 2 bilhões de anos atrás.

A equipe se concentrou em registrar e documentar todos os comprimentos de onda do espectro eletromagnético, do ultravioleta ao infravermelho, e descobriu que, atualmente, o universo produz cerca de 50% menos energia do que há cerca de 2 bilhões de anos atrás.

Novas galáxias produzem menos energia que seus ancestrais. Além disso, as estrelas antigas desaparecem muito mais rapidamente do que a taxa em que novas estrelas nascem.

Isso significa que o universo está se decompondo gradualmente e acabará morrendo. Os cientistas estimam que levará alguns trilhões de anos para a última estrela morrer, então não há necessidade de se preocupar.

Os cientistas primeiro relataram que o universo morreu na década de 1990.